Escola e família juntas contra os transtornos de aprendizagem

Tags:, , , ,

Categorias: Artigos

  Embora não evidentes fisicamente e ainda que seus portadores não apresentem déficits cognitivos, todos os transtornos de aprendizagem são, da mesma forma, estigmatizantes, crônicos e impactantes sobre a vida de seus portadores e de suas famílias, podendo comprometer o desenvolvimento acadêmico.

Embora, em sua maioria, os transtornos não tenham causa emocional estes determinam sofrimento nessa área – apatia, baixa autoestima, desmotivação. Na prática, podemos perceber que esses transtornos não tem origem na escola, porém é nela onde frequentemente se identifica e se evidencia os principais prejuízos que os transtornos promovem na aprendizagem. Por tais motivos, os profissionais da Educação e da Saúde devem se preocupar em estabelecer ações conjuntas, que viabilizem, cada vez mais e melhor, o diagnóstico e as intervenções nessa área.

Família e escola junto contra os transtornos de aprendizagem

À escola cabe encaminhar as famílias à ajuda de especialistas o mais precocemente possível, ao detectar os primeiros sinais que identificam um possível transtorno de aprendizagem. Tais profissionais, certamente, poderão contribuir não apenas diagnosticando o possível transtorno, mas ajudando a família a adquirir conhecimentos sobre os mesmos e sobre como lidar com a criança de modo que esta alcance o melhor aproveitamento escolar e sofra o menor prejuízo emocional, pessoal e social possíveis.

Às famílias, que via de regra têm a capacidade ímpar de oferecer continência, compreensão e afetividade aos filhos, cabe ajudar a criança portadora de algum transtorno de aprendizagem a entender e aceitar suas dificuldades, por meio do apoio e incentivo constantes para iniciar e persistir no tratamento. Crianças portadoras desses tipos de transtorno precisam se asseverar de que são compreendidas e aos seus pais cabe, primeiramente, manter essa certeza, que assegura a manutenção da autoestima e motivação para o aprender e dinamiza os esforços para suplantar as dificuldades acadêmicas.

 


Yara Giambona

Psicóloga CRP 10.9258-6

Deixe uma resposta